Games
184 Views
0

Crítica | Pokémon Brilliant Diamond & Shining Pearl: Um passeio na nostalgia

Remake do clássico Diamond & Pearl, do estúdio japonês ILCA, chegou e pode ser celebrado com muitas horas no Underground

O ano é 2021 e voltamos a Sinnoh com os carismáticos iniciais Turtwig, Chimchar e Piplup. Nada como recomeçar a jornada da 4ª geração com algumas melhorias, não é? E sim, com a estética que lembra os tão adorados e originais Pokémon Diamond & Pearl de 2006, da tradicional Game Freak, mas dessa vez mais refinado. Aqui a novidade é andar em todas as direções por igual – coisa que nos antigos de Gameboy e Nintendo DS não era possível. Claro que nem tudo é um mar de Lapras (sic), e você pode ter alguma dificuldade quando for usar a bicicleta. Com o direcional mais “moderno”, te faz bater nas paredes. A bicicleta, desde os primeiros jogos, é um dos recursos mais aguardados pelo jogador, porque andar mais rápido otimiza o gameplay. Como você já consegue correr normalmente desde os primeiros minutos do jogo e, consequentemente, andar mais rápido sem o uso da bicicleta, acaba não sendo um recurso extremamente necessário.

40 horas só no Underground, você disse?

Outra melhoria e, talvez, o que mais te consuma o tempo de jogo, é o que fazer no Grand Underground. Caso você não esteja familiarizado com ele, fique tranquilo que é super simples – porém muito divertido. 

O Grand Underground é basicamente um grande caminho subterrâneo para escavar fósseis, pedras de evolução e estátuas (sim, estátuas). Você pode ficar por horas só fazendo isso e achar viciante. Nele, você pode jogar com seus amigos, ou entrar em grupo aleatório online, ou apenas jogar sozinho. 

O tempo será dividido entre escavações nas paredes, caçar Pokémon e “coletar” a purpurina deixada por Diglett e Dugtrio. Esse brilho, dropado pelo Diglett, faz encher um marcador que alcança o máximo de 40 pontos. Quando essa pontuação chegar ao fim (por isso que jogar em grupo talvez seja uma sábia escolha, hein?), por quatro minutos, você terá mais chances de encontrar loots preciosos, como as estátuas shiny

As estátuas servem como um colecionável, só que, mais do que isso, é para você colocar na sua base secreta e influenciar o spawn de certos tipos de Pokémon no Underground. Então já sabe o que a estátua shiny faz, né? 

Aqui fica outra melhoria importante do remake, você pode caçar sim Pokémon, no bom modo “encontro marcado” (sem encontro aleatório aqui, galera) em zonas temáticas que são quase como o habitat daquele tipo de Pokémon. O mapa é grande, então pode largar boas horas só nessa parte do jogo. Assim como eu larguei boa parte do texto só para falar do maravilhoso Underground.

Os games antecessores sofreram da escassez de Pokémon do tipo fogo. Caso você não começasse com o querido Chimchar, teria problemas para ter outra opção de alguém na sua party que soltasse labaredas. Com essas regiões temáticas no Underground, o problema foi resolvido em partes. Ainda é escasso, mas pelo menos o leque de possibilidades melhorou.

O relógio inteligente que não é muito inteligente

O Pokétch é um recurso um pouco útil herdado do Diamond & Pearl, mas que atrapalha enquanto ativado. Nos originais, que são de Nintendo DS, fazia mais sentido com o uso de duas telas. Já no Nintendo Switch, o “relógio inteligente” ocupa um considerável espaço de tela. O legal dele é que você “instala” aplicativos que podem te ajudar em alguns momentos, como o contador de passos, uso de habilidades “escondidas” – as benditas Hidden Machines, e por aí vai. Há quem o aprecie e quem ache desnecessário.

Falando em HMs, você pode usar o Pokémon que tem o indispensável Fly mesmo que ele esteja na sua box. Ou seja, não precisa andar com um Pokémon carregando várias HMs que tá tudo bem agora (já diria Entei). 

E outra coisa que vem do legado do Pokémon X & Y, é o XP Share na party toda sem precisar de item e capturar um Pokémon também distribui experiência para todos. É um artifício bem convidativo para novos jogadores, porque o grind é menos doloroso.


Aproveitando o Endgame até o end

Além das muitas horas no Underground e da parte de história normal do jogo, você vai ter outro universo inteiro para aproveitar depois do fim da Liga Pokémon. Quando completar a Pokédex de Sinnoh (que basta você encontrar cada Pokémon, não precisa capturar) vem aí um upgrade: A National Dex, com uma bagatela de mais de centenas de Pokémon para você encontrar e capturar. Você, provavelmente, vai correr pro Ramanas Park atrás dos 14 lendários como Mewtwo, Lugia, Entei, etc. Agora, completar as duas Pokédex vai ser uma nova jornada, com novas emoções.

Pokémon Brilliant Diamond & Shining Pearl são a dupla de jogos muito carismáticos, friendly para novos treinadores e um belo esquenta para Pokémon Legends: Arceus, já que esse ocorre muito antes dos acontecimentos em Sinnoh.

Deixe uma resposta